Templo do Som

Bem Vindos ao Mundo da Música

The Strokes – Biografia [Parte I]

Posted by Paulo Grossi em agosto 31, 2006

strokes-002.jpg

Nick Valensi (Guitarra) Julian Casablancas (Vocal)
Albert Hammond Jr. (Guitarra) Nikolai Fraiture (Baixo)
Fabrizio Moretti (Bateria)

Formado por jovens com menos de 20 anos, o Strokes apareceu na cena nova-iorquina em 1999 quando eles começaram tocando em festas de Nova York, e não demoraram a começar a fazer sucesso pela cidade Após gravar uma fita com três músicas, que em setembro de 2000 ganhou o nome The Modern Age, o lendário produtor Geoff Travis recebeu uma dica e logo concordou em lançar a demo no formato EP, em sua prestigiada gravadora independente, a Rough Trade Records. O disquinho chegou às lojas em janeiro de 2001. Em fevereiro os Strokes chegaram à Inglaterra, lotando todos os shows de sua primeira turnê pelo país e ganhando elogios da exigente imprensa musical britânica. “Sejamos francos: os Strokes são os filhos da mãe mais quentes do momento. Eles viajam no romance e na paixão do punk rock nova-iorquino, mostrando a poesia urbana com fúria em canções pop que misturam amor, ódio e luxúria, além da agonia cortante da incompreensão “(New Musical Express, 17 de fevereiro de 2001).

Turbinados por vocais rasgados, linhas espertas de guitarra e frases que grudam na memória, os Strokes conseguem novidades a partir de um som inspirado no passado. Através de seus shows eles angariaram um poderoso boca-a-boca pelos Estados Unidos ao excursionar como atração de abertura de bandas como o Guided By Voices e os Doves. A adormecida cena roqueira de Nova York despertou e agradeceu. E a BMG venceu a disputa e contratou os meninos.

Oriundos de famílias classe-média-alta, estes cinco meninos de Nova York já estavam inseridos no mundo da música e da mídia antes mesmo de começarem a tocar. Um bom exemplo é o de seu guitarrista, Albert Hammond Jr., filho do famoso e bem sucedido compositor Albert Hammond.

strokes-005.jpg

Com gritantes influências de Lou Reed e dos Stooges, os Strokes fazem um som mais light, porém poderoso. Eles não admitem suas influências, mas parecem gostar da inevitável comparação com o Velvet Underground. Numa entrevista para o portal Terra, Fabrizio Moretti, o baterista que é brasileiro (ele nasceu no Rio e foi para Nova York ao 4 anos) disse: “tem aquela coisa de vender a música (…) então alguns críticos inicialmente nos rotularam assim, e foi ficando. Mas as comparações com o Velvet Underground e outras bandas eu acho legais, pois são todas coincidentemente minhas favoritas”.

Ao mesmo tempo, a imprensa norte-americana estava descobrindo a banda graças a uma série de shows no Mercury Lounge de Nova York, em dezembro de 2000. O quinteto recebeu elogios rasgados do New York Times, do Village Voice, do Paper e apareceu duas vezes na Rolling Stone. Nas páginas da mais importante revista de música dos Estados Unidos, David Fricke escreveu: “Os Strokes são a primeira grande emoção no rock de Manhattan este ano. Já os vi ao vivo e eles têm um disco inteiro de ótimo material em si” (27 de fevereiro de 2001).

strokes-007.jpg

As canções do Strokes trazem consigo toda uma rebeldia que surge da união da força jovem + a vontade de colocar as angústias pra fora, um desabafo. O líder da banda é o cantor e principal compositor e guitarrista Julian Casablancas que juntamente com os outros integrantes da banda misturam uma autoconfiança inesgotável, associada a uma insegurança difícil de se esconder, típica da fase inicial do grupo. Em Hard to Explain, a banda combina seu garage rock com melodias grudentas, em uma canção que pode ser considerada uma das melhores músicas do disco. Is this it? mostra toda a alegria que os Strokes têm como jovens, cheios de autoconfiança ao som de uma linha de baixo saltitante; Soma, Someday, e Take it or Leave It são os Strokes em seus momentos mais exuberantes. A banda é capaz de fazer a velha combinação guitarra-baixo-bateria parecer uma novidade para o ouvido dos roqueiros mais aficcionados.

Uma curiosidade sobre o disco Is this it? é que a capa original do disco foi censurada nos Estados Unidos, mas que no Brasil continuou sendo a mesma. E a canção New York City Cops que acabou retirada do CD, na última hora, por conta dos ataques terroristas a NY, pois naquela época a mídia americana queria evitar ao máximo uma exposição dos “heróis” do 11 de setembro. Porém para a felicidade dos ouvintes não americanos a música foi incluída no CD distribuído para os outros países inclusive a versão brasileira.

strokes-simpsons.gif

Assim os ingressos da turnê começaram a se esgotar rapidamente, e os shows do Strokes se tornaram bem mais badalados que os da atração principal. A NME deu chamada de capa para uma curtíssima resenha de um show do Strokes no Texas e nem falaram do Doves, prata da casa.

Depois de uma curta turnê nos Estados Unidos o Strokes já estava excursionando pela Europa, participando dos principais festivais europeus como no estival 02 Wireless no Hyde Park londrino, sendo que as apresentações da banda sempre eram acompanhada de casas lotadas e público indo ao delírio e muita, mas muita gente querendo ouvir que som era esse que vinha da “big apple” americana.

Paulo Grossi [PG]

Anúncios

14 Respostas to “The Strokes – Biografia [Parte I]”

  1. adrian said

    lo unico que quiero decir es que es la mejor banda de rock en el mundo son los salvadores del rock

    y tienen a los mejores guitarristas y a la mejor vos del planeta

  2. Obrigado pelo comentário, informamos que em breve o blog passará por atualização trazendo mais conteudo e informação.

    Abraços!!

    Paulo Grossi

  3. Thales said

    perfeita biofria.

    strokes sao perfeitos.

    😉

  4. Thales said

    biografia**

  5. Júlia said

    Strokes sempreee!
    amei a biografiaa!
    Eles são MUITO fodas o//
    Beijos

  6. **MilA** said

    Os Strokes???
    eles são os melhores
    pq fazem o melhor som
    cantam e tocam perfeitamente
    tocam o q eu kero ouvir
    e saum os unicos q fazem meu coraçaum pular,me da vontade
    de sair cantando e dançando
    TdOO de Bom!!!
    S2

  7. dai said

    strokes ,filosofia da vida,
    revolução do rock
    strokes é tudo ,e um pouco mais,
    o que falar de strokes?
    não há o que falar ,eles são simplismente o maximo , o melhor dos melhores !!!!!!!!

  8. Ja´b said

    n existe biografia melhor do que a do Nirvana… ela choka a pessoa… mas a banda Os Strokes é uma banda q entro acabando com muitos em seu som markante …

  9. ----- késia epiphone------ said

    Cara igual a eles nao existe,eu conheçi eles ano passado ,pela tv ,eu vi o clip ”you only live once”eu via todos os dias pra ver se passava,eu anotei o nome ,entao quando ganhei meu pc ,baixei todas eu vivo com meu mp5 ligado ouvindo the strokes ,eles sao demais..eu amo ”reptlia”,”soma”….foda-se quem nao gosta deles….kvs

  10. edu said

    album de 2001 eh perfeito pqp, nao tem musica ruim..
    mt boa a banda.. uma das melhores

  11. aah , me sinto muito feliz sabendo um pouco mas deles ! . Me lembro da primeira vez que ouvi eles … Reptilia , Last Night ,Killing Lies … Hora de ver a segunda parte da Biografia

  12. Hanna said

    E a melhor Bandaa ! Não tem igual The Strokes e sem comparação ;*

  13. Amei, a biografia està òtima. Me ajudou com um post no meu blog.

  14. fernanda said

    Apaixonada por the strokes!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: